O Operário em Construção -Vinicius de Moraes, letra, poema

E o Diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo. E disse-lhe o Diabo:

Dar-te-ei todo este poder e a sua glória, porque a mim me foi entregue e dou-o a quem quero; portanto, se tu me adorares, tudo será teu.
E Jesus, respondendo, disse-lhe:

Vai-te, Satanás; porque está escrito: adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele servirás.
Lucas, cap. IV, vs. 5-8.

Era ele que erguia casas
Onde antes só havia chão.
Como um pássaro sem asas
Ele subia com as casas
Que lhe brotavam da mão.
Mas tudo desconhecia
De sua grande missão:
Não sabia, por exemplo
Que a casa de um homem é um templo
Um templo sem religião
Como tampouco sabia
Que a casa que ele fazia
Sendo a sua liberdade
Era a sua escravidão.

De fato, como podia
Um operário em construção
Compreender por que um tijolo
Valia mais do que um pão?
Tijolos ele empilhava
Com pá, cimento e esquadria
Quanto ao pão, ele o comia…
Mas fosse comer tijolo!
E assim o operário ia
Com suor e com cimento
Erguendo uma casa aqui
Adiante um apartamento
Além uma igreja, à frente
Um quartel e uma prisão:
Prisão de que sofreria
Não fosse, eventualmente
Um operário em construção.

Mas ele desconhecia
Esse fato extraordinário:
Que o operário faz a coisa
E a coisa faz o operário.
De forma que, certo dia
À mesa, ao cortar o pão
O operário foi tomado
De uma súbita emoção
Ao constatar assombrado
Que tudo naquela mesa

Garrafa, prato, facão –
Era ele quem os fazia
Ele, um humilde operário,
Um operário em construção.
Olhou em torno: gamela
Banco, enxerga, caldeirão
Vidro, parede, janela
Casa, cidade, nação!
Tudo, tudo o que existia
Era ele quem o fazia
Ele, um humilde operário
Um operário que sabia
Exercer a profissão.

Ah, homens de pensamento
Não sabereis nunca o quanto
Aquele humilde operário
Soube naquele momento!
Naquela casa vazia
Que ele mesmo levantara
Um mundo novo nascia
De que sequer suspeitava.
O operário emocionado
Olhou sua própria mão
Sua rude mão de operário
De operário em construção
E olhando bem para ela
Teve um segundo a impressão
De que não havia no mundo
Coisa que fosse mais bela.

Foi dentro da compreensão
Desse instante solitário
Que, tal sua construção
Cresceu também o operário.
Cresceu em alto e profundo
Em largo e no coração
E como tudo que cresce
Ele não cresceu em vão
Pois além do que sabia

Exercer a profissão –
O operário adquiriu
Uma nova dimensão:
A dimensão da poesia.

E um fato novo se viu
Que a todos admirava:
O que o operário dizia
Outro operário escutava.

E foi assim que o operário
Do edifício em construção
Que sempre dizia sim
Começou a dizer não.
E aprendeu a notar coisas
A que não dava atenção:

Notou que sua marmita
Era o prato do patrão
Que sua cerveja preta
Era o uísque do patrão
Que seu macacão de zuarte
Era o terno do patrão
Que o casebre onde morava
Era a mansão do patrão
Que seus dois pés andarilhos
Eram as rodas do patrão
Que a dureza do seu dia
Era a noite do patrão
Que sua imensa fadiga
Era amiga do patrão.

E o operário disse: Não!
E o operário fez-se forte
Na sua resolução.

Como era de se esperar
As bocas da delação
Começaram a dizer coisas
Aos ouvidos do patrão.
Mas o patrão não queria
Nenhuma preocupação

“Convençam-no” do contrário –
Disse ele sobre o operário
E ao dizer isso sorria.

Dia seguinte, o operário
Ao sair da construção
Viu-se súbito cercado
Dos homens da delação
E sofreu, por destinado
Sua primeira agressão.
Teve seu rosto cuspido
Teve seu braço quebrado
Mas quando foi perguntado
O operário disse: Não!

Em vão sofrera o operário
Sua primeira agressão
Muitas outras se seguiram
Muitas outras seguirão.
Porém, por imprescindível
Ao edifício em construção
Seu trabalho prosseguia
E todo o seu sofrimento
Misturava-se ao cimento
Da construção que crescia.

Sentindo que a violência
Não dobraria o operário
Um dia tentou o patrão
Dobrá-lo de modo vário.
De sorte que o foi levando
Ao alto da construção
E num momento de tempo
Mostrou-lhe toda a região
E apontando-a ao operário
Fez-lhe esta declaração:

Dar-te-ei todo esse poder
E a sua satisfação
Porque a mim me foi entregue
E dou-o a quem bem quiser.
Dou-te tempo de lazer
Dou-te tempo de mulher.
Portanto, tudo o que vês
Será teu se me adorares
E, ainda mais, se abandonares
O que te faz dizer não.

Disse, e fitou o operário
Que olhava e que refletia
Mas o que via o operário
O patrão nunca veria.
O operário via as casas
E dentro das estruturas
Via coisas, objetos
Produtos, manufaturas.
Via tudo o que fazia
O lucro do seu patrão
E em cada coisa que via
Misteriosamente havia
A marca de sua mão.
E o operário disse: Não!

Loucura! – gritou o patrão
Não vês o que te dou eu?

Mentira! – disse o operário
Não podes dar-me o que é meu.

E um grande silêncio fez-se
Dentro do seu coração
Um silêncio de martírios
Um silêncio de prisão.
Um silêncio povoado
De pedidos de perdão
Um silêncio apavorado
Com o medo em solidão.

Um silêncio de torturas
E gritos de maldição
Um silêncio de fraturas
A se arrastarem no chão.
E o operário ouviu a voz
De todos os seus irmãos
Os seus irmãos que morreram
Por outros que viverão.
Uma esperança sincera
Cresceu no seu coração
E dentro da tarde mansa
Agigantou-se a razão
De um homem pobre e esquecido
Razão porém que fizera
Em operário construído
O operário em construção.

O Operário Em Construção
Vinicius de Moraes, 1959

Nami Madhumoy -Chitta Ranjan Ghose, poema

I bow to thee, charming Chinmoyi Chinmoy,
Sweet as honey.
Arise in my heart the everlasting, the delightful.
Behold my heart, Chinmoyi Chinmoy
Bring down into my mind the Infinite,
Into my soul the Eternal.
Awaken in my body God the Immortal.
Give shelter in thy light.
Bowing to you, Chinmoyi Chinmoy,
Victory, victory, victory!
May you be victorious!

-Chitta Ranjan Ghose, 24th april 1974

Reverencio-te, encantador Chinmoyi Chinmoy,
Doce como o mel.
Erija em meu coração o vivente, o deleite.
Encare meu coração, Chinmoyi Chinmoy.
Traga à minha mente o Infinito,
À minha alma, o Eterno.
Desperte no meu corpo Deus o Imortal.
Conceda-me abrigo na tua luz.
Reverenciando-te, Chinmoyi Chinmoy,
Vitória, vitória, vitória!
Sejas tu vitorioso!

(tradução)

A minha vida interior -Sri Chinmoy, poema

      Nem mesmo uma vez

A minha vida interior me afastou

            Do mundo exterior.

      A minha vida interior é bondade encarnada.

Ela me deixou consciente das necessidades

            Do mundo exterior.

      A minha vida interior me ensinou

O quê amar em Deus –

            Tudo.

      A minha vida interior me ensinou

Quem devo servir no mundo exterior –

            Todos.

                  – Sri Chinmoy, the Dance of Life

A Mãe de beleza -Sri Chinmoy, poema

(no Japão)

Os findos trezentos-e-sessenta-e-cinco dias viram

A Rainha do vasto cosmos no solo verdejante do Japão.

Os descendentes corajosos da Ásia banham-se no mar

De deleite estupendo que nasce de seu sorriso-néctar.

Quatro dourados anos e o rico alento do seu Amor:

“O Japão é única flor encantada da Arte.”

Suas Mãos de Poder escoram em seu povo incrível

Uma influência divina a afastar o soar da perdição.

Sri Chinmoy, The Mother of the Golden All, Agni Press, 1974

O amante fala da Rosa em seu coração -Yeats, poema

Tudo que é feio e partido, tudo que é gasto e velho,
Choro da criança na estrada, ranger da carroça titubeante,
Passos pesados do lavrador, derrubando a forma invernal
Ferem tua imagem que floresce uma rosa profunda em meu coração.

O erro das coisas feias é grande demais para ser dito;
Anseio reconstruí-los e sentar-me numa colina verde distante,
Com a terra e o céu e a água, refeitos, como um porta-joias de ouro
Para meus sonhos da tua imagem que floresce uma rosa profunda em meu coração.

-W.B.Yeats

Uma nação não deveria ser julgada por como ela trata os seus cidadãos em posição mais alta -Nelson Mandela, frases

“A Nation should not be judged by how it treats its highest citizens, but it’s lowest ones”

“Uma nação não deveria ser julgada por como ela trata os seus cidadãos em posição mais alta, mas sim aqueles em posição mais baixa.”

-Nelson Mandela

Eu não existo – Sri Chinmoy – Poemas

Eu não possuo capacidade ou mérito.

Portanto, choro por mais, por muito afeto, muito amor Seu.

Todos apreciam e admiram um homem de capacidade.

Todos tocam os pés de um Yogi.

É para um homem como eu, sem capacidade alguma,

Que os Olhos da Mãe estão eternamente acordados.

Tudo o que saberão sobre mim, perguntem a Ela quem eu sou.

Sem o Seu amor e afeto,

Eu não existo.

~Sri Chinmoy

Nas profundezas do meu coração – Sri Chinmoy – Poesia

Nas profundezas do meu coração o pássaro azul sorri

e o pássaro azul brinca.

O festival de forma-resplendor-luz e deleite celestial

convida a todos.

O sol, a lua, as montanhas e o oceano – todos vieram.

Hoje atenderemos ao chamado da Infinidade.

Correremos em direção à Infinidade.

Bem diante de nós está a escadaria de Luz.

Nossos corações tornaram-se a flor de Divina Luz.

Somos a esperança do nosso Senhor Supremo.

O criador-mundo não é ninguém senão o nosso amor.

~ Sri Chinmoy.

É a Hora de Deus – Sri Chinmoy – poesia

É a Hora de Deus;

O jogo do coração começará.

O estandarte do Amor Divino

Hoje se erguerá no céu infinito.

O sol, a lua, a consciência imorredoura,

A riqueza secreta da Infinidade, os Pés do Senhor-Mundo,

A mensagem-benção do Céu longínquo,

A enxurrada da libertação,

A morada do Néctar divino,

Todos se unirão no coração do nosso mundo.

~ Sri Chinmoy