Eu não existo – Sri Chinmoy – Poemas

Eu não possuo capacidade ou mérito.

Portanto, choro por mais, por muito afeto, muito amor Seu.

Todos apreciam e admiram um homem de capacidade.

Todos tocam os pés de um Yogi.

É para um homem como eu, sem capacidade alguma,

Que os Olhos da Mãe estão eternamente acordados.

Tudo o que saberão sobre mim, perguntem a Ela quem eu sou.

Sem o Seu amor e afeto,

Eu não existo.

~Sri Chinmoy

Quantas canções já cantei? – Sri Chinmoy – Poesia

Quantas canções já cantei?

Quantas mais terei de cantar aqui na Terra?

Dentro e fora busquei

Por mim mesmo através das minhas canções.

Com dores profundas, meu coração chora;

Minha forma-Eu não é visível.

Neste vasto oceano-vida, flutuo todo sozinho.

~Sri Chinmoy

Nas profundezas do meu coração – Sri Chinmoy – Poesia

Nas profundezas do meu coração o pássaro azul sorri

e o pássaro azul brinca.

O festival de forma-resplendor-luz e deleite celestial

convida a todos.

O sol, a lua, as montanhas e o oceano – todos vieram.

Hoje atenderemos ao chamado da Infinidade.

Correremos em direção à Infinidade.

Bem diante de nós está a escadaria de Luz.

Nossos corações tornaram-se a flor de Divina Luz.

Somos a esperança do nosso Senhor Supremo.

O criador-mundo não é ninguém senão o nosso amor.

~ Sri Chinmoy.

É a Hora de Deus – Sri Chinmoy – poesia

É a Hora de Deus;

O jogo do coração começará.

O estandarte do Amor Divino

Hoje se erguerá no céu infinito.

O sol, a lua, a consciência imorredoura,

A riqueza secreta da Infinidade, os Pés do Senhor-Mundo,

A mensagem-benção do Céu longínquo,

A enxurrada da libertação,

A morada do Néctar divino,

Todos se unirão no coração do nosso mundo.

~ Sri Chinmoy

Lá vai o meu Amado – Sri Chinmoy – Poesia.

Lá vai o meu Amado, meu doce Senhor,

Com os sinos tilintando nos Seus Tornozelos.

Ouço a música da Sua Flauta

Vibrando pelos horizontes.

Se meu menino pastor lançasse um olhar

Para trás, ainda assim, Ele somente seguiria em frente.

Que os meus olhos sigam o caminho

Que o meu Amado trilha.

Na hora do crepúsculo,

Com um doce e sereno sorriso,

Conduzindo o rebanho de matiz variado,

Meu menino pastor segue adiante.

~ Sri Chinmoy.

É a Hora do Adeus – Sri Chinmoy – Poemas.

É a Hora do Adeus;

O jogo do coração começará.

O estandarte do Amor Divino

Hoje se erguerá no céu infinito.

O sol, a lua, a consciência imorredoura,

A riqueza secreta da Infinidade, os Pés do Senhor-mundo,

A mensagem-bênção do Céu longínquo,

A enxurrada da libertação,

A morada do Nectar Divino,

Todos se unirão no coração do nosso mundo.

~ Sri Chinmoy

Somos os peregrinos do Senhor Supremo – Sri Chinmoy – Poemas

Somos os peregrinos do Senhor Supremo

No caminho da Infinidade.

Despedaçamos

A porta da obstrução.

Despedaçamos a noite

Da tenebrosa escuridão, inconsciência

E do eterno, indomável medo da morte.

O Barco da Aurora da Luz suprema

Nos chama.

As Mãos do Libertador nos puxam

Para o Oceano do grande Desconhecido.

Tendo consquistado o alento-vida

Da Terra da Imortalidade,

E carregando erguido o Estandarte

Do Senhor Supremo,

Nós retornaremos.

Nós, as gotas e chamas

De Luz-Transformação.

~ Sri Chinmoy

Mãe, se eu perco para Você – Sri Chinmoy – Poemas

Mãe, se eu perco para Você,

Tal é a minha única Vitória.

Qualquer coisa que entreguei nas Suas Mãos

É a minha única poupança.

Para mim, todo resto é sem valor,

Um mero desperdício,

Que apenas me tortura e

Se coloca como um fardo em meu caminho.

Não consigo usar nada daquilo.

Quando perder para Você,

Depois de ter alcançado

Minha completa realização,

Sei que receberei minha maior recompensa.

~ Sri Chinmoy

Fui ver o Seu Sorriso – Sri Chinmoy – Poemas.

Fui ver o Seu Sorriso,

Mas recebi apenas tristeza, sofrimento e agressões de Você.

Nada tenho, nenhuma luz, nenhum silêncio em mim.

Parece que não mereço nada.

É por isso que Você está longe, muito longe.

Mas eu gostaria de lhe dizer que, sem Você,

Minha vida é um deserto árido.

Tudo é escuridão.

~ Sri Chinmoy

Eu os machuco impiedosamente – Sri Chinmoy – Poemas.

Eu os machuco impiedosamente.

Os seus corações macios e delicados eu firo e agrido.

Mas eles voltam a mim, por vezes e mais vezes,

Com a canção do amor.

Quanto mais longe eu os lanço além da minha fronteira,

Mais perto se aproximam de mim.

Ó Senhor Supremo, que apenas a vitória deles

Seja proclamada no meu coração.

~ Sri Chinmoy.

Mãe Índia – Sri Chinmoy – Poemas

Os filhos e filhas da Índia estão

Mais uma vez se erguendo com o fogo-encantamento.

As profundas e sonoras notas são tocadas

Para invocar a Mãe Índia.

Para a Índia o mundo oferecerá sua saudação.

Uma vez mais a vitória da Índia será proclamada.

Somos os soldados da Luz e adoradores do Deus-Fogo.

Longe afugentaremos o medo-mundo.

Índia, Índia, nessa grande terra da Mãe Índia,

Em breve a Paz do Além

Reinará suprema.

Falsidade e vazio para sempre acabarão.

A luz e deleite da beleza florescerão, crescerão e brincarão

No amor do coração da Índia.

~ Sri Chinmoy

Ó Pássaro de Luz – Sri Chinmoy – Poemas

Ó Pássaro de Luz, Ó Pássaro de Luz,

Com suas chamas fluentes e reluzentes

Entre no meu coração mais uma vez.

Você me chama para escalar

E voar no azul.

Mas como posso?

Meu coração está em uma prisão,

No respiro estrangulado de um minúsculo aposento.

Ó Pássaro de Luz, Ó Pássaro de Luz,

Ó Pássaro de Luz Suprema.

Em mim, eu rogo, não deixe sequer uma gota de escuridão.

~ Sri Chinmoy

Um pensamento – Sri Chinmoy – Poemas

Um pensamento, uma melodia, uma ressonância.

Quem me chama agora e a toda hora?

Não sei onde estou.

Não sei para onde irei.

Em escura amnésia,

Eu me compro e me vendo.

Tudo destruo e tudo construo.

Tudo quero que seja meu, só meu.

Ora, meu coração é eclipsado

Pela negra e selvagem noite-destruição.

~ Sri Chinmoy

Nada tenho – Sri Chinmoy – Poemas

Nada tenho.

Nada tenho a mostrar ou contar.

Não tenho espiritualidade, oração,

Nem meditação, nem adoração, nada.

A meu redor tudo o que há são as dores interiores e frustrações,

Poeira, terra e cinzas.

Estou satisfeito com o mundo de matéria e desejo.

Sou compelido a ficar satisfeito com pouco, muito pouco.

Nada tenho.

~ Sri Chinmoy

Ó Ser Absoluto – Sri Chinmoy – Poemas

Você é belo, Ó Ser Absoluto,

E eu sou o Seu servo.

Na Sua Vitória está a minha vitória,

O meu infinito enlevo.

O meu coração sofreu aflições infinitas para conhecê-Lo.

Por isso eu atiro as flechas do meu veneno-zanga no Seu Coração.

Liberto dos erros, pensamentos abolidos,

Nenhum desejo agora tenho.

Beleza Transcendental,

Sou o escravo do Seu Néctar-Compaixão.

~ Sri Chinmoy

Por quanto tempo mais chorarei, Mãe? – Sri Chinmoy – Poemas

Por quanto tempo mais chorarei, Mãe?

Por quanto tempo chorarei

Sozinho num quarto escuro, amando Você?

Você conhece meus pensamentos secretos,

Você conhece o anseio do meu coração.

Por que a negra morte me tortura, dia após dia?

Quanto mais Você demorará, Mãe?

Quanto mais Você demorará?

Assim como Jesus tinha Maria,

Você é a minha Mãe-Mundo.

~ Sri Chinmoy

Aquele que amou este mundo – Sri Chinmoy – Poemas

Aquele que amou este mundo

Descobriu apenas dores excruciantes.

O mundo lançou nele

Toda a sua feiura, nojenta, impureza e sujeira.

Ainda assim, o herói marcha em frente,

Carregando o fardo do mundo inteiro.

Ao fim da sua vasta labuta

Ele se colocará aos Pés

Do Senhor Supremo.

~ Sri Chinmoy.

Você ouvirá as minha últimas palavras – Sri Chinmoy – Poemas.

Você ouvirá as minhas últimas palavras.

Nutrida essa esperança,

Eu ainda existo na terra.

Deixe-me dançar no Seu Coração

Sempre, nas noites de tristeza e nos dias de alegria.

Sinto que a tortura da felicidade é mais dolorosa

Do que a tortura da tristeza,

Pois quando estou em alegria, esqueço de Voce;

Faço does o Seu Coração.

~ Sri Chinmoy

Imaginação, Ó Imaginação! – Sri Chinmoy – poemas.

Imaginação, Ó Imaginação!

Na minha vida, você é a adoração.

Longe eu não a manterei.

Imaginação, Ó Imaginação!

Em falsas e aprisionadoras mentiras não chorarei;

Não darei boas vindas à vida da feiúra da impureza.

Com uma vitória pífia não sorrirei e comemorarei.

Imaginação, Ó Imaginação!

Ao chamado da morte não responderei.

Sou a Alma; não tenho morte.

Nunca, nunca mais o caminho errado percorrerei.

Imaginação, Ó Imaginação!

~Sri Chinmoy.

Paz – Sri Chinmoy – poemas.

Paz, Paz,

Dentro do meu coração, a Paz reina suprema.

A alma-comovente flauta do Senhor Krishna

Toca no meu Céu

E na minha terra.

As sombras-destruição dos demônios escuros

E a desilusão-ignorância da noite sombria

Prostram-se, há tempos enterrados nas profundezas

Do meu corpo, mente, coração e vida.

Minhas chamas-aspiração sempre nadam

No corpo das Suas Águas-Compaixão.

~Sri Chinmoy.

O céu me chama – Sri Chinmoy, poemas.

O céu me chama,

O vento me chama,

A lua e as estrelas me chamam.

Os verdes e densos bosques me chamam,

A dança da fonte me chama,

Sorrisos me chamam, lágrimas me chamam,

Uma suave melodia me chama.

A aurora, o meio-dia e o crepúsculo me chamam.

Todos procuram por um colega a brincar.

Todos me chamam: “Venha, Venha!”

Uma voz, um som, por toda parte.

Ora, o Barco do Tempo segue adiante.

~Sri Chinmoy.

Meu Krishna – Sri Chinmoy, poemas.

Meu Krishna não é negro,

Ele é puro ouro.

Ele está entremeado

Na Beleza, Luz e Esplendor universal.

Ele parece negro

Porque eu derramei a tinta

Da minha mente sobre Ele.

Meu Amado é Todo-Luz.

Ele criou Luz e Escuridão,

Ele está dentro e fora do Cosmo Vasto.

Com este conhecimento,

Terei uma nova relação

Com o mundo.

~Sri Chinmoy.

Ó Senhor Supremo – Sri Chinmoy, poemas.

Ó Senhor Supremo,

Faz apenas um dia

Que eu vi Você

E brinquei com Você,

Antes de vir para o mundo de noite-escuridão.

Ainda assim, lembro do meu passado dourado,

Dentro e fora.

Ora, longe, muito longe, Você está agora.

Em meio às mais negras aflições.

O pássaro do meu coração soluça e chora.

~Sri Chinmoy.

Ó Beleza sem-par, Ó Amado – Sri Chinmoy, poemas.

Ó Beleza sem-par, Ó Amado,

Incendeie a chama do esplendor da beleza

Do meu coração.

Amando-O, eternamente belo serei.

Que a dança-destruição do Senhor Shiva

Destrua todas as amarras do finito.

Que a Luz do Supremo me inunde,

O meu coração, o meu todo.

Tendo adorado o infinito,

O coração de escuridão clama,

Pelo florescimento da Luz.

Ó Luz Infinita, conceda-me a fome sem fim,

Clamor-aspiração.

A menor gota perderá sua razão de ser

No coração do oceano ilimitado.

No fogo e no ar observo Sua Vida do Espírito.

Ó Beleza, Ó Dourado da Beleza,

Ó Luz do Supremo!

~Sri Chinmoy

Ó Rei dos pastores – Sri Chinmoy, poemas.

Ó Rei dos pastores,

Ó Rei dos pastores,

Apenas umas vez apareça diante de mim.

Minha vida é um sonho falso.

Minha morte é um sonho falso.

Leve-os embora.

Ó Rei dos pastores,

Ó Rei dos pastores,

Apenas uma vez apareça diante de mim.

Na floresta da minha luz interior,

Nas profundezas silenciosas do meu coração,

Ouço a música alma-comovente da sua Flauta.

Vejo seu gado divino

Pastando no colo do Silêncio da Infinidade.

Ó Rei dos pastores,

Ó Rei dos pastores,

Apenas uma vez apareça diante de mim.

~Sri Chinmoy

Ó meu Barco – Sri Chinmoy, poemas.

Ó meu Barco, Ó meu Barqueiro,

Ó mensagem do Deleite Transcendental, carregue-me.

Meu coração está sedento e faminto,

E, ao mesmo tempo, dorme profundamente.

Leve meu coração para a outra margem.

A dança da morte eu vejo por toda parte.

O trovão da destruição invencível eu ouço.

Ó meu Piloto interior, Você é meu,

Você é o Oceano da Compaixão infinita.

Em Você eu me abandono,

O meu todo em Você eu abandono.

~Sri Chinmoy

Na negra e densa noite – Sri Chinmoy, poemas.

Na negra e densa noite

Você lança Seus Olhos benignos sobre mim.

Leve-me e faça-me parte de Si

Com a Sua Compaixão.

Sou o Seu filho inocente.

Caminho sozinho por uma fenda densa e emaranhada.

Com os Seus dois Braços me abrace.

Permita que eu não seja afogado e levado

Pelas turbulentas correntezas da vida.

~Sri Chinmoy.

Você é belo – Sri Chinmoy, poemas.

Você é belo, mais belo, belíssimo,

Beleza sem-par no jardim do Éden.

Dia e noite, que Tua Imagem habite

No íntimo do meu coração.

Sem Você, meus olhos não tem visão,

Tudo é uma ilusão, tudo é deserto.

Ao meu redor, dentro e fora,

Ouço a melodia das aflições sombrias.

Meu mundo está repleto de aflições excruciantes.

Ó Senhor, ó meu belo Senhor,

Ó meu senhor de Beleza,

Nesta vida, mesmo por um fugaz segundo,

Que eu seja abençoado com a dádiva

De ver a Tua Face.

~Sri Chinmoy

Levante-se, acorde – Sri Chinmoy, poemas.

Levante-se, acorde, Ó amigo do meu sonho.

Levante-se, acorde, Ó alento da minha vida.

Levante-se, acorde, Ó luz dos meus olhos.

Ó poeta-vidente em mim,

Manifesta-se em e através de mim.

Levante-se, acorde, Ó vasto coração dentro de mim.

Levante-se, acorde, Ó consciência minha,

Que está sempre a transcender o universo

E sua própria vida do além.

Levante-se, acorde, Ó forma da minha meditação transcendental.

Levante-se, acorde, Ó divindade aprisionada na humanidade.

Levante-se, acorde, Ó Shiva, Libertador do meu coração,

E liberte a humanidade do seu sono-ignorância.

~Sri Chinmoy

Ó cega e escura noite do abismo dos nossos corações! – Sri Chinmoy, poemas.

Ó cega e escura noite do abismo dos nossos corações!

Somos os companheiros do córrego das lágrimas.

Na terra do apego aprisionador,

Chorando e sorrindo atiçamos a lamparina

Das selvagens sombras-obstrução.

Nosso mundo é uma esperança vazia, destituído.

Seremos a linguagem-mensagem

Do Tempo Sem Fim

E nos tornaremos Fome infinita,

Deleite-Néctar infinito

E Luz-Transformação da Eternidade.

~Sri Chinmoy

Numa doce e melodiosa canção – Sri Chinmoy, poemas.

Numa doce e melodiosa canção, Você canta

No seio da minha entregue adoração suprema.

Eu A vejo!

E ouço o tilintar dos sinos no Seu tornozelo,

Ó Coroa do Ápice da Infinidade!

A Sua Canção, o Seu Amor,

A Lei imortal da Sua Imortalidade

Carregarão a mim, eu sei, eu sei,

Até as margens do Além Dourado.

~Sri Chinmoy