Poema de 11 de Junho – Sri Chinmoy, Reflexões

11 de Junho

Pode repremir algo por algum tempo mas, não o poderá evitar para sempre. Dessa forma, a repressão de qualquer coisa não é e nem pode ser a resposta. O que é imperativo é a iluminação.

No nosso dia-a-dia, não temos de reprimir a emoção; não temos de reprimir nada. A repressão é algo muito ruim. Se hoje reprimimos algo, amanhã estaremos sujeitos à sua revolta. A repressão não é a resposta. O que devemos fazer é iluminar a nossa emoção. Enquanto a iluminamos, sentiremos alegria verdadeira. Reprimindo, o que realmente alcançamos? Nada. Apenas, nos forçaremos além de nossa capacidade e de nosso esforço sincero. Assim, como temos um desejo de gozar uma vida de prazeres, também possuímos um desejo de reprimir a vida. A vida de prazeres e a vida de repressão são, igualmente, ruins. Ambas são seguidas de frustração e esta acaba em destruição.

A vida deu-lhe
Aquilo que, inconscientemente, desejou:
Frustração.
Pode, conscientemente, obter da vida
Aquilo de que necessita:
Iluminação.


Reflexão, poema de “11 de Junho”, retirada do livro de Sri Chinmoy: A Jornada-Alma da Minha Vida.